setembro 28, 2008

Mudanças

Posted in pessoas + pessoas tagged , , , às 1:27 pm por nandabandeira

Atualizando esse espaço. Na verdade, não escrever apenas por escrever, mas porque certas questões, nos últimos dias, têm me feito pensar bastante.

Um novo amor, um novo emprego, um novo curso, um novo endereço, às vezes a insegurança é inevitável, até mesmo para quem já se planejou, se preparou para isso.

Tentamos manter a vida sempre sob nosso controle, é quando nos sentimos confortáveis e donos de nós mesmos e do nosso futuro. Mas uma coisa é certa: o futuro é terra inexplorada e incerta, como saber do que será feito nosso amanhã? Terão sido corretas nossas escolhas? E se optássemos por um caminho diferente, teríamos sido mais felizes?

Esse é o ponto principal da discussão, o ser humano busca sempre sua felicidade a qualquer custo. Uns arriscam mais em sua busca, é verdade, mas cada um a sua maneira, procura realização.

O mundo pertence mesmo aos mais corajosos? Acredito que sim. Vemos todos os dias bons exemplos disso, em casa, na rua, na mídia. Histórias interessantes que, no fundo, gostaríamos de poder vivenciar, não levando em consideração também que é preciso lutar para chegar a esse sucesso na vida.

Desejo coragem a mim, a todos nós, para que busquemos nossos objetivos, na vida profissional, pessoal e, principalmente, interior. Vida interior, sim, pois é fantástico quando realizamos algo e nos sentimos capazes de tocar o mundo com os dedos, que temos algo para compartilhar com os outros, no que colaborar e perceber que temos total condição de amar e sermos amados por alguém.

agosto 10, 2008

Me retratando

Posted in Uncategorized às 11:45 am por nandabandeira

Perdão, pessoas atenciosas que lêem o blog. Agradeço bastante os comentários. Nesse tempinho não tenho feito nenhum post para o blog devido aos compromissos com a faculdade. Você sabem como é, os trabalhos começam a acumular e é importante que dediquemos tempo suficiente para dar o nosso melhor, correto?

 Assim que puder, voltarei à atividade.rs. Beijos.

julho 19, 2008

Procurando alguém

Posted in pessoas + pessoas tagged , , , , , às 1:19 am por nandabandeira

Conversando com um amigo, eu, que sou quase “terapeuta virtual sentimental” (rsrs), comecei a pensar sobre as dificuldades atuais de se encontrar um pessoa interessante, que atenda às nossas espectativas. Estamos sempre em busca de alguém perfeito ou hoje em dia isso não existe mais? Estamos mais realistas? Pessimistas, talvez?

Sendo “orkuteira” como sou, visitei uma comunidade a qual discutia os medos de relacionamentos enfrentados por meninas na faixa dos 15/20 anos. Na verdade, esse seria um tópico e causou bastante polêmica. Surgiram mais e mais meninas relatando situações parecidas. Parece que os príncipes já não estão mais tão cotados, as meninas procuram rapazes honestos. Honestidade…pessoas honestas estariam em falta, segundo elas, e por essa razão, o medo de se envolver e correr o risco de estar com alguém assim as leva a ficar sozinhas. Todos buscamos a felicidade, e muitas vezes nos fechamos por experiências ruins que tivemos, ou que assistimos na vida de alguém próximo a nós.

Acredito, mais uma vez, que a culpa seja do individualismo que “cultivamos” durante toda nossa vida. Tudo bem que você necessite arriscar, “pagar pra ver”, e tentar embarcar em outro relacionamento, afinal, como saber se será bom ou ruim, mas o fato é que se do casal um pensa apenas em si mesmo, no que quer, em seu prazer, nada pode acontecer além de ele fazer seu parceiro infeliz. Pensar em si é ótimo, te faz conquistar sucesso muitas vezes, já que você fica focado em crescer sempre, mas será que seu individualismo te faz crescer como ser humano? Te faz ouvir o outro e aprender com ele? Atender ao que o outro precisa? E se no fim das contas você ficar sozinho?

De um lado pessoas à procura de alguém especial, do outro, os individualistas; todos sozinhos.

Questão para se pensar, pessoal…

 

 

julho 8, 2008

Atitudes que roubam vidas

Posted in vida real tagged , , , , às 9:53 pm por nandabandeira

Um recente acontecimento deixou o Rio sob total comoção, o drama vivido pelo taxista Paulo Roberto Soares. Paulo perdeu seu filho de apenas três anos de idade por um ato covarde e mal pensado (despreparados profissionais…) de PMs cariocas. O que se poderia esperar de uma cidade em constante guerra, caos e estresse…? Obviamente isso se reflete nos cidadãos, porém, devemos fazer algumas considerações, porque diante da tragédia, detalhes facilmente passariam despercebidos.

Com o jornal em mãos, fiquei emocionada vendo a foto do pequeno João e, abaixo, o rosto sofrido de seu pai. João foi “executado” por policiais. O carro de sua mãe foi alvejado por tiros, os quais, segundo os PMs, se destinariam a bandidos em fuga. Resultado de mau treinamento, estes não “repararam” que o carro dos supostos bandidos era de modelo diferente ao da família. E nem ao menos verificaram quem estaria no carro antes de atirar. Foram vinte tiros. Dentro do carro, uma mãe e seus dois filhos pequenos; o mais novo não foi atingido por milagre, a mãe foi ferida por estilhaços de bala e passa bem, e o pequeno João veio a falecer no hospital, vítima de morte cerebral e parada cardíaca. Indignado, o pai, que estaria fazendo horas extras em seu táxi para pagar a festinha de aniversário do menino, salientou o despreparo e falta de piedade dos policiais. Eu acrescentaria a falta de prudência. Prudência em saber com quem estavam lidando, não se pode desferir tiros por aí. Mesmo que fossem bandidos no carro, e as pessoas que circulam nas ruas? Quantas tragédias mais poderiam ter acontecido neste dia?

Segundo o pai da criança, não houve razão para que os PMs atirassem, não existiu troca de tiros. De acordo com imagens captadas por câmeras de segunça no dia, a mulher de Paulo Roberto, ao ser abordada por eles, parou o carro.

As investigações seguem em andamento e a família pede justiça. Termino aqui com um trecho da declaração dada pelo taxista ao jornal Extra: “Que polícia é essa? Eu não posso perder um filho de três anos para a polícia. Como essa que está na nossa cidade. Eu não pago meus impostos para ter um pessoal para executar os outros.”

Mais um pequeno inocente vítima da violência no Rio.

…é o nosso Brasil, que amamos, e dói ver que esteja tão mal cuidado…

julho 6, 2008

Descomplicando a vida

Posted in pessoas + pessoas tagged , , às 5:28 pm por nandabandeira

Somos muito complicados, não é verdade? Nós, as pessoas a quem criticamos, quando, na verdade, somos feitos da mesma matéria – e com os mesmos problemas (uns mais que os outros, deve-se admitir também).

Quando se quer criticar alguém deve-se ter argumentos, em primeiro lugar. Depois, já que você é superior à pessoa e pode criticar, você é nobre o suficiente para dizer isso na frente dela e ajudar com sua total sabedoria (o sarcasmo é um dom que a  vida me deu!) esta pobre pessoa e levá-la à superioridade. Por que “montar um circo” apenas para dizer que reprova algo? Experimente e descomplique: “Não gostei. Achei ……….”. Isso facilita todas as relações, sejam elas familiares, amorosas, de amizade. Diga o que quiser (se tiver a coragem de ouvir de volta o que merece – é um risco que se corre), converse (não fale pelas costas, você pode espalhar e causar a impressão errada, *de você* e do objeto do boato, injustamente).

Portanto, se quiser ser dramático (a), escolha um dia para gritar, chorar, dizer que o mundo é cruel só com você. Deixe os outros fora disso, agradecemos.

Vocês concordam ou não? Vamos deixar em off…

junho 30, 2008

A perda maior

Posted in falando de mim* tagged , , às 9:14 pm por nandabandeira

Dia 3 de maio, sábado, notícia triste. Chego em casa e sou informada de que meu amigo está indo embora. Uma partida dolorosa, de gosto amargo. Meu querido amigo partiu para a eternidade, sem volta, e pior perda não há. Quando um amigo se vai, no fundo, pensamos em reencontrá-lo um dia, quem sabe, não para voltar ao que era, mas para, ao menos, tomar um café e conversar. Já esse não voltará.

Quando estava triste e feliz ele estava do meu lado. Quando ninguém me compreendia, lá estava ele comigo. Dez anos de total companhia. As lembranças vêm, dia após dia, lembrar o quanto ele foi importante para mim e o quanto me fez feliz. Seus hábitos, manias, brincadeiras, tudo ficou impregnado em mim.

No começo desse mês perdi o amigo que nada me pedia em troca de seu carinho, quem eu sabia que entre ventos e tempestades estaria ao meu lado. Infelizmente não pôde ser eterno e o perdi para o cansaço, a fragilidade, idade. 3 de maio de 2008 – perdi meu cachorro, meu “amigo de estimação”.

 (Esse post foi escrito no começo de maio – um desabafo – quem tem um, sabe do amor envolvido)

junho 21, 2008

Vida de estudante

Posted in faculdade tagged , , às 12:26 am por nandabandeira

Eis nossa vida de estudante…em qualquer canto que você more sei que irá se identificar…

Baseado em fatos reais (com profundo conhecimento adquirido em dois anos)…

Todo dia você acorda cedo porque seu professor, muito mais pontual que o chefe de muita gente, exige que você esteja em sala nenhum minuto a mais nem a menos.  Às vezes parece que eles são membros de uma sociedade secreta, sabe? Você chega a imaginar: “Não é possível, nos ferram sempre ao mesmo tempo”.  Os trabalhos mais complicados são passados sempre na mesma época, para que os alunos se desdobrem em mil para fazer todos e com qualidade.

Aí você pega aquela condução bendita que antes te irritava profundamente e que o costume te fez até achar confortável. Você finalmente põe os pés na calçada. À essa altura já está “amarrotado” e seu cabelo, bagunçado.

As provas? Existe a chamada “Semana de prova”, que consiste nos sete dias mais assustadores de cada período; você tem provas todos os dias e não sabe para qual matéria estudar primeiro.

Seminários…alguém já disse que são agradáveis? O professor fica sentado e você nervosíssimo tentando mostrar a ele que domina o conteúdo, enquanto sua, treme e sente vontade de sair correndo.

A faculdade de vocês tem uma xerox que vive lotada quando se precisa dela? Será que é um complô e todo mundo corre para lá quando te vê se aproximando? (estudante paranóica, eu) Você iria embora feliz se não precisasse demais estudar aquela matéria? Ahhh, todos nós.

No final do semestre você fica desesperado querendo saber se passou em todas as matérias e é justamente quando o site da faculdade passa por reformas “para melhor lhe servir”. O site finalmente abre, você vai direto às suas notas na expectativa, quando você se dá conta de que a nota que mais você queria saber não entrou!!! “Não é possível!!! Onde foi parar minha nota? &%$&(*+))__)*(&¨$¨#”. Sim, você fala nomes feios, xinga os parentes de quem não deveria. Passam-se as primeiras horas e você continua apertando o F5 para ver se já foi atualizada a página…

Não, não estou investigando sua vida, não tem câmera oculta em canto algum. Eu vivo daqui o que você vive daí. Os universitários, no fim das contas, independentemente de curso de Enfermagem ou Engenharia (ou Jornalismo=p), falam a mesma língua.

 

OBS.: Perdão, professores, essa é só uma brincadeirinha. Sei que entendem…também já foram estudantes.

abril 16, 2008

Amizade verdadeira no século XXI

Posted in falando de mim* tagged , , , , às 4:38 pm por nandabandeira

Um professor meu disse certa vez que não existe relacionamentos não baseados em interesse no mundo moderno, que impera o individualismo na construção dessa sociedade. O que isso quer dizer? Você é amigo de alguém por essa pessoa ter algo a te oferecer, seja seus conhecimentos, bens materias, entre outros. Meu post de hoje diz respeito à sociedade como um todo mas também a mim mesma, enqüanto indivíduo.

.             .               .           ***         .               .               .                 .              .      

Muitos amigos fazemos durante toda nossa vida, porém até seu fim acredito que 1% permaneça ao nosso lado. O destino leva o ser humano a trilhar caminhos diferentes, à vidas diferentes, pensamentos diferentes, o que pode vir a nos afastar de pessoas com quem anos atrás nos identificávamos tanto, ríamos tanto, sofríamos juntos, confidenciávamos tudo o que passava por nossa mente…Seria justo, então, o bendito destino alterar o curso da nossa vida e transformar nosso amigo em um estranho? E como terminar essa amizade de forma digna, sem ressentimentos? Seria mais fácil não tendo mais lembranças da época em que nos conhecemos.

Começo a me perguntar: o que eu poderia oferecer ontem que hoje não posso mais? O que outra pessoa teria a me oferecer ontem que hoje não pode mais? Por que os interesses de amizade podem acabar de repente? Será que nos tornamos tão independentes e auto-suficientes que “batemos as asas” e deixamos alguém para trás? Não sei ao certo, não sei nem se tudo isso faz sentido ou se existem outras razões envolvidas no afastamento, na ausência do “sentir falta”.

Amizade contemporânea…não sei se eu queria ter uma. Acho que “bati as asas” sem querer e deixei pessoas para trás, e não percebi também porque estava me consumindo pelo fato de outras pessoas terem “batido as asas” e me deixado para trás. Que todos sejamos felizes.

 

abril 13, 2008

Já chega, né?

Posted in mídia tagged , , , , às 3:23 pm por nandabandeira

Escrevi meu post anterior e primeiro ^^ às 20h. Hoje, pela manhã, algumas idéias me incomodaram. Primeiramente: se o caso da menina Isabella não tivesse sido exposto na televisão, em todas as mídias de modo geral (mas sabemos que a televisão dá a maior projeção), talvez não existisse toda essa investigação para se chegar ao assassino. Bom, nós sabemos muito bem o que acontece, existem Isabellas morrendo todo dia pelo país, e fora dele, e muitos casos ficam sem solução.

Outro ponto a se comentar é o fato de a menina ser neta de um bem-sucedido advogado. Sorte da família, de ter boas condições financeiras, pois se morassem em uma favela, em um bairro pobre com pessoas com pouco poder aquisitivo, a família correria o risco de não ter justiça.

Agora vamos combinar: o que é ter que assistir, ler e ouvir todos os dias o andamento das investigações? Calma lá, gente, a vida e a morte de uma criança expostas dessa maneira, virando briga de audiência. Uma mancha de graxa aqui, uma marca de sapato ali…pelo menos hoje nós sabemos que existem os tais especialistas forenses, que não são apenas um produto de seriado americano (CSI, CSI Miami, CSI NY). Sim, nós temos um “CSI Brasil/Brazil”, “CSI Rio”, seja lá o que for. Pena que nunca tínhamos ouvido falar, muito menos sabíamos de seus equipamentos importados. Esperamos que depois de resolvido o caso (e se Deus quiser será) estes equipamentos não sejam colocados “de volta na caixinha de isopor”.

Tudo tem um limite. Sei que ainda sou apenas uma estudante de jornalismo, mas em matéria de vida todas as pessoas sabem até onde é oportuno se falar, especular e onde começa a ser inoportuno. É responsabilidade da mídia saber até que ponto ir. Vamos ter mais cuidado com sentimentos alheios, preservar mais é uma boa pedida.

abril 12, 2008

Do que um ser humano é capaz

Posted in vida real tagged , , , , , às 8:35 pm por nandabandeira

Nos últimos dias temos acompanhado, em todo o Brasil, as investigações sobre a morte de Isabella Nardoni, de 5 anos de idade. A menina foi morta covardemente, até agora constatado estrangulamento, e depois atirada do sexto andar do prédio onde o pai morava.

Convém lembrar que este não é o primeiro caso de tragédia que acaba com o assassinato de uma criança. Para quem se recorda existe o caso do menino de Goiás que, juntamente com seus pais, morreu carbonizado no carro da família. Um atentado cruel, uma atitude lamentável. Também tem a história da menina Vitória, que foi achada dentro de um saco plástico na Lagoa da Pampulha, em MG. 

Como podemos imaginar que um ser humano seja capaz de tamanha crueldade? A polícia segue com as investigações do caso de Isabella Nardoni, não temos ainda a certeza de quem seja o culpado (ou culpados) pelo crime, só o que podemos afirmar é que esse crime foi cometido por uma mente doente, quem sabe a alma seja assim também.

 

 

                                                                              

Mais um anjo

Pêsames à família…